Fico chocado com o número de pessoas que em pleno século 21 não tem projeto de vida. Parece-me perigoso esperar que sejam os outros a dar-nos um projeto de vida, enquanto o mundo muda, a indústria está de pernas para o ar e a era do emprego tradicional tende a acabar.

Grossomodo, pode dizer-se que estas pessoas não acreditam que devem ter um projeto. Até que a vida decide por eles e os obriga a ter.

Acho que todos nós chegamos a uma determinada altura das nossas vidas em que dizemos: Já chega!

« Tu és tu! És único(a) e insubstituível »

Este “Já chega” é a tomada de consciência. É aqui que começas verdadeiramente a viver a vida que queres viver!

É aqui que sentes necessidade de ter um projeto. De avançar dia após dia numa direção precisa. E a impressão que possas ter e estares a avaçar lentamente não poderia estar mais errada. A verdade é que assim que tomas decisão, avanças a passos largos. Só aqueles que ficam no “Status Quo” é que não avançam.
Em pouco tempo vais ficar simplesmente abismado pelo caminho que já percorreste. Aqui será o teu novo lugar nesta vida.

Adoro os prazeres hedonistas, mas não os posso ter como objetivo de vida.
Quando não temos um projeto de vida, quando não temos vontade de desenvolver competências, quando não temos gosto em construir um futuro, deixamo-nos levar pelas circunstâncias e caimos na teia do conformismo. Onde nada se passa, onde se vive por defeito, onde os resultados são desastrosos.

Utiliza a “alavanca” da tecnologia

Já não conto o número de frustrados a quem incomodo, a quem o progresso incomoda ou a mudança que encarno. Eles até compreendem – ou pelo menos constatam – que o mundo mudou, que as novas tecnologias “abanam” as suas vidas, que foram alcançados.

Compreendo e não digo que seja fácil para todos, mas porque não utilizarmos estas novas tecnologias em nosso favor?

Vivemos numa era de progresso tecnológico, uma era em que qualquer indivíduo pode ter poder. Nada mais nos obriga a tomar as vias clássicas, aliás estas tornaram-se obsoletas. É isto que incomoda a tantos.

Então constroi o teu próprio espaço, cria um blog, fala com as pessoas, passa a tua mensagem, a tua vivência, as tuas experiências. Ajuda os outros!

Sê tu a escolheres, esta é a chave!

Eu tirei 3 lições importantes quando decidi traçar o meu próprio caminho:

1 – Faz aquilo que gostas de criar e produzir.

Escolhe. Eu sei, ao início tentamos desenvolver competências numa determinada área e…Meu Deus…não tenho jeito nenhum para isto!

Mas o processo é este, é uma jornada, e o início da jornada é o mais difícil (pelo menos é o que parece), é o período de 90 dias em que 90% das pessoas desiste, é o período em que nem todos vêm resultados e onde nem todos acham que estão a progredir.

Amigos! Não fazem ideia da experiência e do desenvolvimento pessoal que se adquire neste período.

Quando passares este período, entras então numa fase onde as coisas acontecem, onde sentes de facto que estás a progredir e onde começas a ter resultados.

Atenção! Desde que passes os 90 dias a fazer o que tem de ser feito. Não podes andar 90 dias a “pastar” e depois achares que as coisas acontecem por milagre. Estes 90 dias são 90 dias de ação massiva, seja ela de que forma for, são 90 dias a fazeres aquilo que ninguém mais quer fazer, para poderes vires a fazerer aquilo que ninguém mais pode. Esta noção é muito importante. É o teu compromisso para contigo! Um compromisso de foco e de trabalho.

2 – Acha as tuas pessoas

Este ponto é fulcral: Achar aquele 1% de pessoas, de fãs, que querem ou gostam de receber aquilo que tens para lhes dar. Estas pessoas existem! São reais e de carne e osso! Os outros 99% não interessam para o teu negócio.

E mesmo que ainda estejas a desenvolver as tuas criações, as tuas competências, existe sempre este pequeno número de pessoas, este 1% que gosta do que fazes – Porque és tu!, porque és único, porque são as tuas convicções e as tuas crenças, os teus gostos, o teu estilo, a tua visão do mundo. Este é o teu desafio, achar estas pessoas.

Aqueles que não gostam do teu trabalho, que acham que o que fazes é inútil, que simplesmente não gostam de ti porque és magro ou porque és gordo, porque és careca ou cabeludo, ou porque és preto ou branco, não te interessam, não pagam, nem entram no teu círculo. Ponto final!

As suas observações devem cair sobre ti como a água nas penas de um pato.

Quando finalmente paras de tentar agradar a todos, o teu trabalho transforma-se, torna-se focado, e consegues produzir muito mais valor para aqueles que importam verdadeiramente. Os teus 1%.

Esta poderia ser a primeira fórmula do início do teu negócio:

Negócio = 1% de clientes de qualidade > 99% de clientes sem qualidade <=> 1% de clientes de qualidade dispostos a pagar mais pelo teu valor

O que eu tenho para oferecer é precisamente isto, é ajudar os outros a acharem o seu 1%. Com as novas tecnologias e web marketing, qualquer um pode achar ” as suas pessoas”.
3 – Não inicies o teu negócio porque queres enriquecer da noite para o dia, ou transformares-te numa superstar famosa.

O meu negócio tem-me trazido muitas coisas boas na vida e seria hipócrita dizer que não o iniciei por dinheiro. Mas aquilo que nunca esperei foi o que para além do dinheiro, me iria trazer uma alegria enorme em ajudar os outros, um resultado a nível do desenvolvimento pessoal digno das maiores escolas de coaching de vida, amizades e relações profundas, o “gostinho” de ser desafiado constantemente, de melhorar constantemente a minha qualidade de vida e a da minha família, de me aperfeiçoar, de ser único, de ser sofisticado, de ter achado o meu “1%”, de seguir a minha própria filosofia de vida.

Isto meus amigos…não tem preço!

Transcende os teus medos, não “espreites” apenas por baixo da cortina, lança-te de corpo e alma. As pequenas coisas que podes pensar que vais ter que arriscar não são nada comparadas com aquelas que vais ganhar, em alegria, orgulho, qualidade de vida e estabilidade financeira.

Estou cá para te ajudar nesta jornada.

Persegue o teu sonho, não sejas mais um conformado que apenas vive os sonhos de outro!

Começa AQUI: http://oliviercorreia.com/c/joinen

 

Forte Abraço!

O sindroma da mosca é um pouco como a fantástica definição de insanidade do Einstein, que diz que:

«A insanidade é cometer continuamente os mesmos errors esperando obter resultados diferentes.»

Já todos viram com certeza, uma mosca às cabeçadas contra o vidro de uma janela a tentar sair, e a bater vezes sem conta no mesmo sítio, quando a uns escassos centimetros está uma abertura onde passaria um pardal.

Quanto a ti não sei, mas acho irritante olhar para aquele carrosel de cabeçadas, e acabo por sacudi-la para fora, quando não a esborracho contra o vidro.

O que é engraçado sem ter piada nenhuma é que muitas vezes na vida temos este comportamento. “Embicamos” por um caminho que sentimos ou sabemos claramente que não é por ali.

Seja ficando numa posição que não nos agrada, ou seja repetindo um comportamento inapropriado.

Será que as pessoas são demasiado preguiçosas ou medrosas para mudar? demasiado orgulhosas para assumir que se enganaram?

Podemos arranjar centenas de boas desculpas para manter o status-quo, mas será bem mais útil se nos questionarmos sobre como será o nosso futuro se nada modificarmos.

A mudança é a componente fundamental da evolução.

Pensa nisso!

Bom Domigo

 

Abraço

Achavas que te ia escrever um artigo sobre carros? Não é nada disso, já vais perceber o titulo :)

 

Qualquer guia espiritual ou programa de autoajuda, te dirá que, para te sentires bem e sem conflitos, deves aceitar o teu passado gozar o presente e acreditar no futuro.

Mas por vezes mesmo que nos digamos satisfeitos com o que temos, no fundo gostaríamos de ter mais, e achamos que merecemos mais.

 

Então imagina que, aquilo com que sonhas alcançar se encontra no pico de uma ingreme montanha. Agora visualiza tudo aquilo que deves conquistar e todos os obstáculos que deves ultrapassar para lá chegares.

Agora questiona-te, se a insatisfação que sentes é eficientemente grande, para empreenderes todos os esforços que te lá vão levar?

 

Se o que buscas é por exemplo ganhar dinheiro com o teu próprio negócio online, estarás mesmo pronto a investir o teu tempo, o teu trabalho e o teu dinheiro para conseguires?

 

Se a tua resposta é não, então valoriza o que tens e deixa-te de BMW’s(Bitching, Moaning, Whining) como dizem os americanos, deixa-te de reclamar, de lamentar e de choramingar!

Pode até aliviar-te temporariamente, mas no final agrava o mau estar.

 

No entanto se a tua insatisfação for suficiente para te levar a empreender esforços, então vai em frente, começa aqui mesmo:http://oliviercorreia.com/c/joinen

 

Ser positivo não resolve tudo como a homeopatia, mas se nem sempre resolve ao menos mal não fará :)

 

Abraço

Olivier Correia

 

“O Homem é aquilo em que acredita”

Deixa-me contar-te uma pequena história.

É a história de uma menina, a quem um dia a professora pediu que desenhasse uma casa, e que desenhou uma casa em forma de cogumelo, com paredes roxas, janelas amarelas, um telhado azul sob um céu verde e com relva cor de laranja.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A professora que passava por entre as carteiras dos alunos, admirando os seus trabalhos, parou ao pé da menina e disse:

«Isso não é uma casa!»

 

No ano seguinte, uma outra professora pediu à menina que desenhasse aquilo que ela quisesse.
A menina deixou a folha em branco.
Quando a professora passou disse-lhe:

«Que linda tempestade de neve!»

 

No seguimento da experiência com a casa a menina desenvolveu uma crença acerca dela própria.

 

As crenças são como duas mãos apertadas uma contra a outra: Nada pode penetrar entre elas e qualquer nova experiência contraditória apenas faz ricochete.

O que não deixa de ser bom para o caso das crenças positivas.

Mas no que diz respeito às crenças limitativas, seria bom “folgar as mãos”, para criar espaço para que novos conhecimentos e aprendizagens possam entrar.

 

É o que fazemos quando induzimos a mudança.

Foi o que a segunda professora tentou fazer com a menina. Vamos esperar que tenha conseguido :)

 

E tu? Sabes que crenças limitativas tens sobre ti mesmo que mereçam ser reconsideradas?

Se em qualquer altura decidires desafiar as tuas próprias crenças limitativas,
Regista-te aqui: http://oliviercorreia.com/c/joinen

Abraço